top of page
  • Foto do escritorMariana Mateus

Você tem coragem de não agradar?

A CORAGEM DE NÃO AGRADAR - Ichiro Kishimi & Fumitake Koga


Posso te dizer que já gostei desse livro só pelo título. Adoro títulos que nos fazem pensar, questionar e que geram essa curiosidade para entender melhor sobre o que está sendo falado.



O livro fala sobre a teoria de Alfred Adler (1870-1937), um psicólogo austríaco fundador da psicologia do desenvolvimento individual. O livro é 95% escrito como forma de diálogo entre o filósofo e o jovem (é assim que eles são chamados no livro, sem nomes). Essa conversa entre eles é bastante interessante, uma vez que o jovem tenta contrapor as ideias apresentadas pelo filósofo - que segue a teoria adleriana. Já adianto que o mais interessante do livro é que ao caminhar na leitura você vai se identificar com o jovem e com o filosofo em momentos diferentes e isso gera muita reflexão.


O filósofo vai apresentando vários conceitos da teoria de Adler e como boa Behaviorista Radical que sou, não pude me conter na comparação com a teoria de B. F. Skinner. Diria que a partir da forma como foi apresentada a psicologia individual, teve um conceito que eu consegui fazer um paralelo, que foi o conceito de 'meta' proposto por Adler, que se assemelha muito com a forma como Skinner descreve o que chamamos de 'função do comportamento'.


"A mudança gera ansiedade e a inércia causa desapontamento" pp.49


Nem todas as premissas da psicologia individual fazem sentido pra mim, algumas inclusive contrariam o Behaviorismo Radical, teoria que baseio meu trabalho, mas muitas colocações fazem bastante sentido. É uma leitura bastante interessante e que provoca muitas reflexões sobre como a gente se coloca no mundo e nas nossas relações.


"Se outra pessoa parece feliz, você pode comemorar de verdade. Isso é amor. Relacionamento em que as pessoas restringem uma à outra acabam desmoronando" pp.107


Um dos conceitos que me fez adorar essa leitura é o do amor! Achei essa definição e descrição do que é amor linda e pra mim muito verdadeira. O filosofo passa o livro inteiro confrontando o estilo de vida que o jovem leva, que é extremamente pessimista, com olhar depreciativo sobre si mesmo, sempre se comparando com as outras pessoas e se sentindo inferior.


O filosofo também apresenta a ideia de relações horizontais, partindo do princípio que as outras pessoas são companheiros de vida e não inimigos que devemos competir ou tentar superar. Para a psicologia individual, segundo o filósofo, quando criamos relações horizontais com as pessoas construímos relacionamentos saudáveis e com afeto.


"Devemos escolher o reconhecimento alheio ou o caminho da liberdade sem reconhecimento?" pp.145


Esses questionamentos te acompanham durante a leitura e são provocações feitas pelo filósofo ao jovem, mas que geram reflexão no leitor também. Passei toda a leitura olhando para minha vida, minhas relações e enxergando elas de uma forma nova e diferente.


"O preço da liberdade nos relacionamentos interpessoais é desagradas algumas pessoas" pp.150


Essa foi uma das minhas frases favoritas desse livro pois a liberdade é um dos meus maiores valores de vida. Liberdade para ser quem sou, para me expressar e agir no mundo da forma como considero correta e justa, liberdade para me relacionar e para não me relacionar, liberdade para existir. Esse valor, muitas vezes me trás como consequência desagradar alguém, o que em alguns momentos pode ser doído. Ao mesmo tempo o livro provoca a reflexão de que viver uma vida que não desagrada a ninguém, vai com certeza desagradar você mesma. Isso é forte!


"A coragem de ser feliz também inclui a coragem de ser detestado e de agir sem se preocupar em satisfazer as expectativas dos outros" pp.152


Ao final do livro, confesso que em alguns momentos me irritei com o jovem que parecia determinado a contestar tudo o que o filósofo falava e isso deixou algumas páginas um pouco repetitivas. Mas nada disso tirou a beleza da leitura desse livro e de todas as reflexões que ele trás.


Esse é um livro que eu indico para TODAS AS PESSOAS de olhos fechados. É uma leitura dinâmica e fácil, tem umas 260 páginas e a cada página promove uma reflexão sobre sua vida e suas relações. É um livro que transforma e que te move. Com certeza é um livro 10/10!


Psicóloga Mariana Mateus



13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page